segunda-feira, 23 de junho de 2014

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

                                             


Governo estuda criar programa de proteção a jornalistas

Ministra Maria do Rosário afirmou à BBC Brasil que a Secretaria de Direitos Humanos estuda a criação de um programa federal específico para a proteção de jornalistas ameaçados no Brasil.

Nele, os repórteres passariam a receber proteção como já acontece com testemunhas de crimes, adolescentes em risco e defensores de direitos humanos ameaçados.

Na quarta-feira (20), a organização internacional RSF (Repórteres Sem Fronteiras) divulgou relatório que coloca o Brasil entre os cinco países "mais mortais" para jornalistas. Os outros quatro países são Síria, Somália, Paquistão e México.

Segundo a entidade, cinco profissionais foram mortos nesse ano no exercício da profissão no Brasil. No mundo todo, o número de vítimas chegou a 88 – um aumento de 33% em relação ao ano anterior.

"Nós consideramos que a agressão e a perseguição a comunicadores, a jornalistas, pessoas que têm no seu cotidiano a missão da comunicação, é uma agressão à democracia e uma agressão aos direitos humanos e ao Brasil", afirmou a ministra.

Segundo ela, o passo inicial da secretaria em direção à proteção dos jornalistas foi a aprovação no Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana de uma resolução que cria um grupo de trabalho para analisar os abusos contra esse profissionais.

Ele será composto por representantes dos ministérios da Justiça e das Comunicações, da Polícia Federal e de entidades de classe que representam jornalistas e blogueiros.

O grupo terá a tarefa de monitorar as investigações sobre os casos e, eventualmente, colocar os profissionais ameaçados em algum programa de proteção já existente – antes da eventual criação de um programa de proteção específico.

Ameaças
Essa força-tarefa foi pensada devido aos recentes assassinatos de jornalistas no Maranhão, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Norte, e também às ameaças feitas por supostos policiais ao repórter André Caramante, da Folha de S.Paulo.

O jornalista passou a ser perseguido e teve que sair do país por três meses após escrever uma reportagem sobre como Paulo Telhada, o ex-comandante da Rota (uma controversa unidade de elite da polícia paulista) e vereador eleito por São Paulo usava sua página no Facebook para pregar a violência contra suspeitos de crimes.

A defesa do vereador eleito diz que a página foco da reportagem não pertence a ele.

O governo de São Paulo chegou a oferecer ao repórter a oportunidade de entrar em um programa local de proteção.

A proposta não foi aceita por Caramante, pois o obrigaria a fugir para um local secreto e mudar de identidade – o que resultaria na impossibilidade de continuar escrevendo reportagens que denunciam abusos cometidos por maus policiais.

A ministra Maria do Rosário afirmou que não existe atualmente um programa de proteção federal que além de proteger o jornalista, garanta seu direito de continuar informando.

O único programa em vigor que permite à vítima permanecer em seu ambiente de trabalho é o de proteção a defensores de direitos humanos. Mas até agora ele só foi colocado em prática em cidades do interior do país, especialmente com representantes indígenas e quilombolas.

Segundo a ministra, um eventual programa para jornalistas deve garantir a liberdade de expressão de todos os profissionais ameaçados, independente deles defenderem um posicionamento favorável ou contrário aos direitos humanos.

Ela afirmou que o programa não deve ser oneroso nem de difícil implementação.

"O André Caramante é um defensor de direitos humanos. Resolvendo bem (o caso) e assegurando a ele exercer o seu trabalho, nós vamos estar protegendo todos os demais", disse Maria do Rosário.

Ambiente hostil
Segundo o relatório mundial da RSF, em 2012, além dos 88 jornalistas assassinados, foram registrados 879 casos de detenção, 193 de prisão, 1993 de agressão ou ameaça e 38 de sequestro. Além disso, 73 profissionais tiveram que deixar seus países para não serem mortos ou agredidos.

Entre os blogueiros, houve 47 assassinatos e 144 prisões.

Ao colocar o Brasil entre os cinco países mais perigosos para esses profissionais, a RSF citou dois jornalistas mortos por investigar o tráfico de drogas na fronteira com o Paraguai e dois repórteres blogueiros que investigaram autoridades.

Uma outra pesquisa, o 5º Relatório Nacional sobre Direitos Humanos, do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo, revelou também nesta quarta-feira que, na década dos anos 2001-2010, 72% dos 219 abusos contra jornalistas partiram de agentes do Estado ou membros do Legislativo.

A maior parte foi cometida por políticos eleitos e funcionários públicos (37% ) e policiais (35%). Os abusos incluem agressão, ameaça e intimidação, homicídio, impedimento da atividade jornalística, lesão corporal em cobertura de risco, lesão corporal grave, sequestro e tortura.

LEIA MAIS em.....

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2012/12/20/governo-estuda-criar-programa-de-protecao-a-jornalistas.htm

LEIA MAIS

Número de jornalistas assassinados no mundo é o maior desde 1995, diz ONG; Brasil fica em 5º lugar
Morte de jornalista do RN foi encomendada e custou R$ 8.000, diz polícia

Comentarista esportivo é morto a tiros ao deixar emissora em Goiânia
Dono de jornal é assassinado em Ponta Porã (MS), na fronteira com o Paraguai

Acusados de matar jornalista desviaram R$ 100 milhões no Maranhão, diz polícia

Dono de jornal que denunciava autoridades e policiais é assassinado no MS

Fora do Brasil, repórter ameaçado por 'policiais' relata mudança brusca de vida



Fonte: ABJ

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Radialista Daniel Barbosa Comendador Social do Brasil




Radialista Daniel Barbosa recebeu o Titulo de Comendador Social do Brasil concedido pelo Instituto Impacto Ação Social do Brasil - INPASBRA por indicação da APEB - Aliança de Pastores Evangélicos do Brasil o Titulo vem acompanhado da comenda Gunnar Vingren e Daniel Berg, que foram pioneiros do evangelismo social no Brasil.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

REENCONTRO RADIO GRANDE RIO PROGRAMA DANIEL BARBOSA


Essa Ouvinte Reencontrou sua Mãe Biológica, depois de 44 anos de esperança. Nosso Programa Encontrou a Mamãe dela e todos seus Irmãos que ela nem Sabia que Tinha, em São Bernardo do Campo interior de São Paulo, com a ajuda da Prefeitura de Itaguaí Fizemos o Reencontro da Família na Rádio Grande Rio Itaguaí-RJ.

Ela foi criada em Itaguaí.

Tudo começou Quando ela tinha 1 aninho de idade, foi entregue pelos Pais Biológico aos pais adotivos em Cubatão interior de SP, a intenção dos Pais Biológicos era para um curto período de tempo, por motivos de Saúde de sua Mãe Biológica, mais os Pais adotivos acabaram vindo para o RJ, por fim em Itaguaí onde permaneceu com ela por 29 anos, perdendo totalmente o contato com sua Família Biológica.

Seus Pais de Criação já são falecidos, e o seu maior Sonho era reencontrar sua Família biológica. Cecília é o nome dela, Ouvinte da Radio Grande Rio que Relatou o caso ao Comunicador e Radialista Daniel Barbosa do Programa Daniel Barbosa Linha Direta com a População, que promoveu o Reencontro em um especial de seu Programa quadro Reencontro.

Saiba mais no Facebook:
http://www.facebook.com/media/set/?set=a.331543430223906.83584.100001047557758&type=3&l=8af081fde1

sábado, 24 de dezembro de 2011

Feliz Natal e Feliz Ano Novo!!!

A Família Barbosa deseja a todos um Feliz Natal e um Feliz e Prospero Ano Novo e que o Rei do Natal esteja na vida de todas as pessoas que acreditam nele e esperam sua vinda!!!
JESUS.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

terça-feira, 15 de novembro de 2011

2ª MARCHA PARA JESUS ITAGUAÍ 2011

video

Todos juntos numa só unidade, no dia da proclamação da república, proclamando Jesus para nossa cidade Itaguaí-RJ Brasil.